Marli Pó

Marli Pó

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

O CANTOR DON RUSSO LANÇA O SEU NOVO HIT “VAPO NO PECADO”

 Por: Divulgação

terça-feira, 26 de janeiro de 2021

A Guerra das Vacinas

 Hoje em cartaz o filme "Guerra das Vacinas".


Por: Samir Nakhle Khoury
Sei que essa leitura ficará desatualizada rapidamente. Afinal, atritos entre políticos beligerantes esmaecem conforme o vento; pouco importa se a favor ou contra, pois sempre sopra rumo aos bolsos privilegiados pelo voto (daí a importância de você votar certo).
Mesmo assim, lá vai:
Tragicomédia ruim, sem mocinhos. Assista, cale sua boca, engula a seco toda trama envolvendo a saúde das pessoas. Há vaidosos se digladiando, criando impostos e taxas para administrar mal o destino de miseráveis. Já houve filme melhor.
Essa imagem foi registrada no Instituto Butantan, fundado em 23 de Fevereiro de 1901 (inicialmente, Instituto Serum therapico), ocupando uma área nobre paulistana, ao lado da finada USP.
Em 1925, reuniu-se ali uma plêiade de ícones da biologia mundial; entre eles, Bertha e Adolfo Lutz, Chagas Santos, Oswaldo Cruz, Vital Brazil, o ilustre visitante Albert Sabin e vários outros nobres doutores.
Você sabe o que faziam naquele momento?
Trocavam informações e afagos sobre pesquisas para desenvolvimento de soros e vacinas.
Você sabe o que nossos dirigentes fazem hoje?
Trocam desinformações e farpas sobre esse mesmo tema.
Se o tempo e a técnica aprimoram o conteúdo, então quem seria o real inimigo da Ciência?

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Relacionamentos - Ano Novo, novas histórias. Que tal um parceiro feito pra você?

 Quando o cuidado e o amor prevalecem.


Te convido a navegar numa viagem com histórias inspiradoras e que nos motiva a não perder a esperança e confiar!


Relacionamentos desfeitos, pessoas machucadas e solitárias, muitas buscando sem "nenhum cuidado" por outra.
Me deparei com várias histórias tristes e pensei; - Deve haver algum jeito de encontrar alguém de forma segura e selecionada!

Conhecemos os aplicativos de relacionamento, mas já soube de várias histórias não muito boas a respeito.
Comecei a buscar no google, e me deparei com vários sites de relacionamento, mas o que me chamou a atenção foi um site chamado Golden Years, (Anos Dourados). Dei uma navegada no site e logo enviei um cadastro informando o meu desejo de saber mais sobre esse interessante assunto, além de saber se a fonte era fidedigna e real como descreve o site.

Tive o prazer de conversar com a proprietária e assessora de relacionamentos, Marlene Heuser, casada, mãe de dois filhos e avó de 3, uma querida!
De doce e suave voz, poderia ficar horas conversando com ela, nesse momento, eu ainda não havia navegado no site para saber sobre tudo. Conversamos bastante e fiquei encantada com as histórias que ela me contou. Com mais de 25 anos no mercado, ela se preocupa com cada um de forma personalizada. Entendi que isso é um dom de Deus, pois ela desde adolescente já fazia isso, organicamente, apresentava amigas e amigos aos primos e primas, e muitos deles se casaram e estão juntos até hoje. Um ANJO?? Eu creio que sim. pois quando Jesus tocava nas pessoas elas eram transformadas, muitos relatos bíblicos dizem até, que nem era preciso tocá-lo para serem abençoados. E Ele deu ordem aos seus anjos! Mas, Marlene fala que ela não agrada a todos e todas. Existem algumas exigências por cada um que se cadastra em seu site, e ela faz uma análise personalizada. Alguns não passam pelo crivo dessa análise, e daí ela mesma diz: "Não sou anjo não, muitos não gostam da sinceridade e da realidade, pois eu aponto algumas questões que não se encaixam nos pré requisitos e daí, ficam descontentes. Mas, eu preciso ser sincera ao máximo!" finaliza ela.

Se você quiser saber mais sobre esse "cupido''! e o que ela faz, entre no site www.goldenyears.com.br, leia os depoimentos, saiba mais sobre a história da Marlene e se te interessar, faça seu cadastro, se você tiver a sorte de ser selecionado, poderá receber um telefonema dela, conversar e quem sabe, encontrar seu parceiro ou parceira para toda a vida. Meu desejo é que isso se concretize!! 

@marlipress




Modelo Willian Herculano é vítima de perfil fake nas mídias

 O Modelo e Mister Star Universe, Willian Herculano,  tem sido vítima com perfil fake nas redes sociais



O ator e modelo, eleito Mister Star Universe e também Gran Mundo em 2018,  Willian Herculano, @tem sua imagem e nome usada  por golpistas nas redes sociais. Ele, que tem mais de 100 mil seguidores, foi vítima de mais um golpe cibernético.
Alguém criou uma conta no Facebook com seu nome e fotos, e está conversando com seguidoras e pedindo dinheiro para o pagamento da passagem e hospedagem para ir conhecer as fãs.

A conta que Willian usa nas redes sociais e no instagram não tem seu contato, mas ele já recebeu inúmeras mensagens no direct informando sobre a tentativa ou o próprio golpe efetivado. 
Sua assessoria também tem recebido várias mensagens pelo whatsapp de vítimas do golpe, que já somam mais de 10!!
"Me preocupo com as meninas que foram enganadas, pelos casos relatados, mais de 5 mil reais foram retirados das vítimas!", declara Willian.



segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Simplesmente Clô

 Matéria da Revista Vogue. Apreciem!

https://vogue.globo.com/lifestyle/cultura/noticia/2020/11/eduardo-martini-estreia-simplesmente-clo-em-sp.html

Eduardo Martini estreia 'Simplesmente Clô' em SP



De volta aos palcos, o ator que tem em sua veia artística o humor, quer abordar sobre a solidão e outras percepções da história do estilista, apresentador e político Clodovil Hernandes que nem todo mundo conhece


  • BRUNO COSTA (@BROGUEIRINHO)
21 NOV 2020 - 08H38 ATUALIZADO EM 21 NOV 2020 - 08H38
(Foto: Claúdia Martini)

      (Foto: Claúdia Martini)


Falar de Eduardo Martini (@eduardomartini) é falar de humor. Estreando no teatro, com toda a segurança possível para que todos se sintam confortáveis e seguros neste momento, Simplesmente Clô, no União Cultural, a partir deste sábado, 21, trará Martini passeando pelo o que ela já faz muito bem e tendo a oportunidade de explorar caminhos no palco que até então, ele mesmo não tinha descoberto. E com uma missão de contar a história de uma pessoa eternizada no imaginário popular como Clodovil Hernandes. "Eu não sei se as pessoas sabem quem foi o Clodovil. Mas acho que ele está lá em cima falando: 'Vai, bora, vai que eu te ajudo'. É muito legal quando você desperta o conhecimento e o Clô beira isso, das pessoas terem vontade de saber quem era essa pessoa, o que ele fez, as roupas que ele fez, porque foi tão importante na moda, onde ele chegou. Ele era um cara polivalente, que fazia tudo. E sofreu muito. Isso é bem pontual", conta o ator.

PUBLICIDADE


Assinando a direção junto com Viviane Alfano e texto de Bruno Cavalcanti, Eduardo Martini contribuiu nas adaptações do texto e roteiro e aponta que a solidão é a chave que irá narrar as vivências do paulista da cidade de Elisiário. "Queria falar da solidão desse homem, que é uma pessoa extremamente famosa, polêmica, confusa e muito solitária. [É] Um inventário da vida dele que não tem ordem cronológica", pontua. Em conversa via Zoom com a Vogue, Eduardo se mostra ansioso e alegre por mais este trabalho, compartilha os detalhes sobre a peça e de como sua carreira no humor o permitiu construir a identidade que tanto reconhecemos em suas performances. Olha só.

Como esse texto chegou até você?
Quando o Clô morreu, ele morreu há quase 12 anos, quis fazer algo logo quando ele faleceu  e o Luis Carlos Góes, que é um grande autor disse: 'Vamos escrever", mas ele faleceu também. Esse projeto ficou adormecido. Por acaso, comentei isso com Bruno Cavalcanti antes da pandemia e ele falou: "Vou escrever". Em 4, 5 dias ele veio com o texto e eu fiquei apaixonado. Claro que fomos adaptando e eu falei: "Vou fazer".

Comecei a trabalhar o Clô, acredito que quando a coisa é para acontecer, ela acontece sem percalço nenhum, sem complicação nenhuma. Eu já estava no processo de construção dessa história, de viabilização do projeto e tudo começou a se abrir. Estava fazendo a gestão para o Teatro União Cultural, onde estou e tudo deu certo para fazer.

O que veremos deste texto?
Bruno é um dos maiores autores que conheço, ele tem muita maturidade. Eu conheci o Clodovil e falei para o Bruno que o que mais me interessa no meio dessa história é que eu queria falar da solidão desse homem, que é uma pessoa extremamente famosa, extremamente polêmica, extremamente confusa, mas é muito solitária.  Porque as pessoas julgam e você acaba vivendo uma vida complicada. Chegou um texto que não julga, que não pré-julga, que não dá etiqueta para nada. Eu gosto do termo inventário. Um inventário da vida dele que não tem ordem cronológica. Está sendo muito rico.

O Clodovil realmente foi uma pessoa sozinha. Até em seus últimos dias em Brasília.

Ele nasceu sozinho porque foi rejeitado pela mãe biológica. depois passou para mãe adotiva que rejeitou ele no início. Ele sempre foi uma pessoa muito só, enfadado a solidão.

Ele era uma pessoa divertida  e tinha coisas divertidas. A Viviane  separou algumas frases dele no meio dessas histórias sérias contundentes, de solidão, de vida, de baile, contando sobre moda sobre o Brasil,  sobretudo com frases hilárias como: "Meu amor eu não me importo, o que as pessoas falam nas minhas costas que o meu bumbum já não tenha ouvido. É de uma bobagem e de uma inocência e isso a gente está fazendo, coisas hilárias e eu adoro, adoro esse clima de política. Porque um político fica metendo o pau no outro e o público fica de costas. Ele tirava sarro dele mesmo, então são coisas que dão para pegar a piada, dá para fazer humor.

(Foto: Claúdia Martini)

(Foto: Claúdia Martini)

Quando a gente pensa no seu nome, logo o humor vem a frente por conta do seu trabalho. O que o humor do Martini levará ao Simplesmente Clô?
Estou querendo me descobrir me reinventar em algumas coisas, eu realmente acho que posso chegar lá. É meio difícil fazer humor, ele era uma metralhadora, seguro, dono da verdade. Estou fazendo de uma maneira que eu nem estou defendendo nem elogiando. Apenas estou fazendo uma homenagem há uma pessoa que contribuiu tanto com a nossa história.

Gostando ou não, querendo ou não, ele era um cara inteligentíssimo e de muita cultura. Cantava, fazia vestidos, era comunicador que fazia TV de maneira absurda, foi um dos três deputados mais votado sem nunca ter entrado para política. O que eu mais acho incrível é que esse homem parou a Câmera dos Deputados por falar uma coisa que é verdade: aquilo parece mercado de peixe. As pessoas não se ouvem e entram em discussão, aquilo é puro ego. Tem coisas que ele fez e não é que eu concordo mas que ele foi muito autêntico e ao mesmo tempo polêmico. A TV e a própria arte marcam muito a pessoa.

É da nossa cultura em apenas reconhecer nossas artistas e personalidades em ocasiões póstumas?
Achei uma sacação sua muito inteligente, porque é uma espécie de catarse, o que as pessoas fazem com a morte de uma pessoa famosa: "Ah meu Deus, que perdemos fulano de tal". Fulano de tal estava deprimido sem trabalho, sem emprego e nunca ninguém levantou para fazer alguma coisa.  Mas ele morreu e vira ícone, bonzinho, vira tudo. E é uma coisa que não aconteceu com o Clô, por exemplo. É muito louco isso, eu sou a primeira pessoa a fazer, a única até hoje que fez uma homenagem para ele e é muito louco.

Citamos em uma matéria, das novelas que falam de moda e a primeira versão de Ti Ti Ti foi inspirada nos atritos de Clodovil e o Dener, também estilista. Terá na peça também?


Tem, ele fala: "Quando você me diz que Dener e eu éramos rivais é tudo bobagem, meu amor. Isso é uma coisa inventada por ele. Eu sinto muita falta dele, da gargalhada, guerreiro,  depois que ele morreu ficou tudo muito chato, depois que vocês esqueceram dele tudo perdeu o sentido". Ele faz uma confissão.

Sua carreira é brilhante, seja no teatro como na TV. Como é resgatar e reconhecer tantos feitos?
Eu acho que estou sempre começando. Para mim, parece a primeira peça que eu vou fazer. Eu fiz A Chrous Line em 1985 quando não se tinha microfone de lapela ainda, a gente cantava e dançava. Trabalhei 8 anos com Chico Anysio, 9 meses com a Dercy Gonçalves, 5 anos com a Hebe. Tem coisas muito significativas que eu vivi e esse sucesso, essa história toda é muito baseado em trabalho, trabalho, trabalho, trabalho. 

Muitas coisas boas, alguns erros e muitos acertos, uma carreira com muita dignidade. Respeitei muito meus amigos os profissionais que trabalham com amigo, respeitei muito o teatro. Tem mais 3 peças que o Bruno escreveu para mim, que falam de amor. E depois quero rodar o Brasil com Clodovil. Sou muito realizado.

Simplesmente Clô
21 de novembro a 20 de dezembro
Teatro União Cultural - São Paulo (SP)
Rua Mário Amaral 209, telefone : 11-38852242
21h (sábados); 19h (domingos)
Lotação: 130 lugares, obedecendo as medidas de distanciamento.
Preço do ingresso: R$ 35,00 (meia) a R$ 70,00 (inteira)
Classificação etária 12 anos

Link para venda: www.sympla.com.br


sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Clodovil estará no palco do Teatro União Cultural, em Sampa, neste final de semana




Monólogo "Simplesmente Clô",  interpretado pelo ator Eduardo Martini, estreia amanhã, 21/11 às 21h e irá até fevereiro de 2021.
Os ingressos deverão ser reservados através da plataforma sympla.com.br


 

"Simplesmente Clô" ! Monólogo, traz Clodovil pelo ator Eduardo Martini

Olá queridos!

Meu texto farei quando for assistir a peça. Hoje, empresto do querido Miguel Arcanjo,  jornalista competente que admiro.

Obrigada por sua informação clara!!

@blogdoarcanjo

Um beijo e boa leitura =)

Marli Pó

@marlipress

Clodovil vira peça de teatro interpretado por Eduardo Martini: ‘Amado e odiado’

Por Miguel Arcanjo Prado

Clodovil Hernandes, uma das figuras mais polêmicas da televisão brasileira, tem agora sua vida contada no teatro. Ele é tema da peça Simplesmente Clô, que estreia neste sábado, 21 de novembro, no Teatro União Cultural, em São Paulo. A obra faz temporada aos sábados, 21h, e domingos, 19h, até fevereiro de 2021, dentro da retomada do teatro presencial da Fase Verde do Plano São Paulo, com público de máscara e seguindo todos os protocolos.

Em impressionante caracterização, Clodovil é interpretado por Eduardo Martini, ator virtuoso e com longa trajetória nos palcos paulistanos, reconhecido em 2019 com o Prêmio do Humor, idealizado por Fábio Porchat, na categoria Especial, pelos 40 anos de carreira e farta dedicação aos tablados como ator, diretor e produtor. Aliás, ele repete justamente as três funções em Simplesmente Clô, que tem texto do jornalista e dramaturgo Bruno Cavalcanti, com quem Martini já tinha feito parceria na comédia Papo com o Diabo.

Clodovil na adolescência: amor por bonecas, glamour e vestidos o levou ao estrelato na moda e na TV – Foto: Arquivo Clodovil/Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo

A marcante personalidade que abalou a história da moda, da TV e da política nacional é o ponto de partida para o espetáculo que apresenta ao público um dos homens mais eloquentes e controversos que a sociedade brasileira conheceu.

Afinal, o jovem do interior que amava criar vestidos, desbravou a maior metrópole do país com seu talento farto e logo tornou-se estilista incensado pela elite paulistana, alcançando o auge na década de 1970.

Clodovil apresenta sua coleção em 1971: costureiro da elite brasileira – Foto: Arquivo Clodovil/Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo

Clodovil vestiu da família Matarazzo à cantora Elis Regina, passando da lendária atriz Cacilda Becker às principais damas da sociedade paulista.

Nos anos 1980, Clodovil se reinventou como apresentador na Globo, conquistando fama nacional à frente do matutino TV Mulher, ao lado de Marília Gabriela e Marta Suplicy, de quem tornou-se desafeto.

Clodovil na juventude: estilista disputado pela elite paulistana e artistas como Elis Regina e Cacilda Becker – Foto: Arquivo Clodovil/Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo

Sem jamais abandonar a moda e as clientes abastadas, Clodovil construiu paralelamente ao corte e costura uma brilhante trajetória como apresentador, tornando-se nome disputado pelas principais emissoras do país, sempre dono de opiniões desconcertantes em seus programas, o que sempre lhe garantiu farta audiência e também incontáveis processos judiciais.

Com a fortuna acumulada de contratos milionários, ostentou um estilo de vida nababesco, morando em frente ao parque Ibirapuera, em São Paulo, e com uma estonteante casa à beira mar em Ubatuba, litoral norte paulista.

No fim da vida, mergulhou na política e repetiu o sucesso de público. Afinal, carisma nunca lhe faltou.

Clodovil na campanha política à Câmara dos Deputados em 2006: terceiro deputado federal mais votado em São Paulo – Foto: Reprodução/TV – Blog do @miguel.arcanjo

Em 2006, foi o terceiro deputado federal mais votado de São Paulo, transferindo-se com a eleição para Brasília, onde atuou no Congresso Nacional por três movimentados anos.

Em sua reta final de vida, no Planalto Central, acumulou desafetos poderosos, até sua repentina morte, em 2009, aos 71 anos, e até hoje envolta em mistério e questionada por muitas pessoas próximas ao costureiro — a causa oficial foi AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Eduardo Martini: “Clodovil era tão amado quanto odiado pelas pessoas. Não tinha um meio termo para Clodovil” – Foto: Claudia Martini/Divulgação – Blog do @miguel.arcanjo

Eduardo Martini sabe que dar vida a um personagem tão interessante é um dos grandes desafios de sua carreira, sobretudo por ter convivido de perto com Clodovil.

Nas últimas semanas, o ator estudou de forma obstinada vídeos antigos do apresentador, para mimetizar gestos e formas. No formato monólogo, o espetáculo tem codireção de Viviane Alfano ao lado de Martini, para que o ator possa ter um segundo olhar sobre o próprio desempenho.

Sem entregar muito do espetáculo, Eduardo Martini avisa ao Blog do Arcanjo que a peça trará o famigerado personagem. “Clodovil era tão amado quanto odiado pelas pessoas”. E complementa, sem pestanejar: “Não tinha um meio termo para Clodovil”. Não mesmo.

TEATRO
Simplesmente Clô
Quando: Sábado, 21h, e domingo, 19h. Estreia dia 21/11/2020. Temporada até fevereiro de 2021.
Onde: Teatro União Cultural – Rua Mário Amaral 209, (metrô Brigadeiro) Paraíso, São Paulo, SP. Tel. 11 3885-2242.
Quanto: R$ 35 (meia) e R$ 70 (inteira) na Sympla